Europa,  Guia Prático,  Roteiros,  Viagem Internacional

Todos os 10 passos para organizar a sua Eurotrip com pouco dinheiro

Minhas amigas me definem como a geminiana mais virginiana do mundo. E fazendo jus ao apelido, eu fui extremamente rígida e organizada na hora de organizar minha Eurotrip com pouco dinheiro

Afinal, com pouco dinheiro e com o euro nas alturas, ou eu fazia isso ou voltava endividada. E a segunda opção nunca foi uma possibilidade.

Aqui vão todos os meus 10 passos. É só seguir à risca, ou adaptar às suas necessidades, que eu garanto o sucesso. E nem estou cobrando por isso, hein.

1. Saiba exatamente quanto dinheiro você terá para usar com a viagem

A Europa é cara e ponto. Então não adianta fantasiar com a ideia de que dá pra economizar porque isso tem um limite. E a quantidade de coisas que você pode reservar de forma parcelada, também.

Então, saiba exatamente quanto você pode desembolsar para cruzar o Atlântico. Isso te dá uma noção realista da viagem e não te deixa pensar em estripulias, como querer se hospedar em um Four Seasons.

2. Baseado no dinheiro disponível, defina a quantidade de dias da viagem

Mesmo que você tenha um mês inteiro de férias, pode ser mais negócio passar duas semanas viajando. Você terá um bom tempo para conhecer os lugares e não vai precisar contar os centavos para sobreviver.

3. Pesquise as datas mais baratas para entrar e sair da Europa

Por mais que você já tenha uma ideia de que lugares quer visitar, às vezes não vale a pena voar diretamente para lá. Em vez disso, use o mapa do Skyscanner ou de outros sites para descobrir as datas e lugares mais baratos para entrar e sair da Europa que coincidam com seus dias disponíveis.

Muitas vezes, é melhor comprar uma passagem para Lisboa, por exemplo, e depois comprar uma passagem em voo interno para Paris.

4. Defina seus destinos na viagem

Se baseie no passo anterior e leve em consideração a distância do local de entrada no continente. Para isso, vale pesquisar todos os mínimos detalhes: qual o gasto mínimo por dia nas cidades, se as atrações são pagas ou gratuitas, se o transporte público cobre toda a região turística, quanto custa comer em um restaurante.

Algumas cidades são mais caras que outras, por isso é bom fazer uma pesquisa completa para não se espantar, no meio da viagem, com o preço de um almoço. Além disso, pense em combinar mais cidades próximas ou de fácil locomoção. Por exemplo, ficar duas semanas só na França ao invés de querer conhecer a França, a Inglaterra, a Itália e a Holanda no mesmo período de tempo. Isso economiza tempo e dinheiro.

5. Compre as passagens de deslocamento interno na Europa

Depois de pesquisar as passagens de entrada e saída, foque em como se locomover entre os destinos. Trajetos internos podem sair bem em conta na Europa (a depender do período do ano e da distância entre um ponto e outro). Então use sites como o GoEuro para saber o que vale mais a pena: viajar com companhias aéreas low cost, usar os serviços ferroviários ou se aventurar nos ônibus.

6. Reserve as formas mais baratas de acomodação

Definidas as datas e as cidades, escolha onde você vai se hospedar. Se você é a pessoa mais desencanada no mundo, reserve uma cama em dormitórios mistos de hostels. Se este não é o caso, apele para dormitórios femininos, quartos individuais em hostels, AirBnB e apartamentos. Sempre dá para economizar nessa hora.

7. Defina quanto dinheiro em moeda local será levado para a viagem

Para isso, use a pesquisa no passo 6 e se pergunte: quanto dinheiro eu preciso para me virar, por dia, em tal cidade? Multiplique esse valor pela quantidade de dias no local e repita a operação para cada destino.

Acrescente um valor de segurança – ou pense em usar um cartão de crédito internacional para essa função – e não se esqueça de algo importante: pagar a acomodação. Muitas vezes não é possível pagar na hora da reserva, então esse valor terá que estar com você na hora do check-in. Em dinheiro, cartão pré-pago ou cartão de crédito.

8. Monitore a cotação do euro/libra/outras moedas usadas no continente

E compre o dinheiro aos poucos. Em períodos de altas flutuações, isso garante que você não vai pegar a cotação mais cara. Afinal, você precisa organizar uma Eurotrip com pouco dinheiro. Não arrisque se ferrar com a cotação.

9. Monte um roteiro otimizado e econômico

Para isso, vale pensar em atrações próximas para economizar em deslocamento, pesquisar os dias em que é de graça entrar naquele museu, quais os descontos você pode conseguir (como usar uma carteirinha de estudante na Espanha), as opções mais baratas para comer na região e as possibilidades de transportes.

Se organize para não perder os horários de ônibus e trens e, consequentemente, não perder ainda mais dinheiro com um táxi.

10. Não queira bancar o espertinho. É sério

Esse pontos é especial para aqueles que decidem não contratar um seguro-viagem. Além de ser ilegal entrar nos países do Tratado de Schengen sem ele, você corre um sério risco de se ferrar.

Não é porque você já viajou 50 vezes sem seguro e nada aconteceu que, da próxima vez, vai ser assim. A gente não quer usá-lo, mas é melhor ter essa garantia. E às vezes ela não vai te custar nada.

Alguns cartões de crédito possuem esse benefício, e basta comprar as passagens com ele e entrar no site da bandeira para ativar o serviço. Pronto. Sem gastar um centavo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *