América do Sul,  Brasil,  Paraty,  Passeio de Escuna,  Praias,  Rio de Janeiro,  Sudeste,  Viagem Nacional

Passeio de Escuna em Paraty: como funciona? Vale a pena?

Quando minha mãe propôs um passeio de escuna em Paraty, em Janeiro de 2012, eu topei na hora. Mas esta sou eu. Se alguém me propor um salto de paraquedas neste exato momento, eu também topo. Então minha aceitação não conta, porque eu aceito qualquer coisa que aparecer na minha frente, em termos de viagem, aventura e afins.

Mas é normal que a maioria das pessoas que nunca entrou em uma embarcação fique meio receosa. Afinal, se muitos têm medo de fazer cruzeiros, em navios gigantescos, nada mais comum do que sentir um frio na barriga só de pensar em navegar dentro de um barquinho como uma escuna.

Pensando nisso, resolvi fazer um grande guia de passeios de escuna em Paraty e também em outras cidades!

Passeios de escuna

Ilha Comprida

Falando de passeios de escuna, em geral, eles são bem parecidos e a logística para contratar um e se virar no passeio costuma ser a mesma. Falo isso baseada em três experiências: Paraty, Ilhabela e Arraial do Cabo, e também em outros relatos, então se você souber de algo diferente do que eu disser, me avise, por favor!

Os objetivos de quem gosta de conhecer os lugares via mar costumam ser bem parecidos. Visitar praias mais distantes e de difícil acesso. Ver paisagens bonitas e águas transparentes. Passar um tempo sem pensar em muita coisa dentro do barco.

E, no caso de quem só tem um dia para conhecer um determinado lugar, como em paradas em cruzeiro, é ótimo poder se livrar das preocupações quanto aos meios de transporte e horários.

Voltando ao passeio em si, a logística é bem simples. Contratar. Estar no cais no local e horário combinados. Se acomodar em algum canto. Aproveitar a vista, as informações passadas pelo guia, as músicas, as frutas – todas as escunas costumam servir. E esperar até a primeira parada.

Quais são os preços?

Os preços variam, sim, de lugar para lugar. Para os passeios de escuna em Paraty, por exemplo, tudo começava nos R$ 40, mais ou menos, e aí o limite era o céu. Em Ilhabela, por outro lado, paguei R$ 80 e depois, ao pesquisar, descobri que nada varia muito além ou abaixo disso. Por outro lado, em Arraial do Cabo o mínimo é quase que tabelado: R$ 50, por mais que a maior parte das embarcações confiáveis cobre R$ 70 pelo passeio.

Esse foi o primeiro fator que passou pela nossa cabeça em Paraty. Minha mãe nos informou do passeio na Escuna Banzay, que poderia ser contratado na recepção do hotel – o que passa confiança – e então fomos pesquisar algumas outras na internet.

Dica 1: sempre pesquisar

Praia Vermelha

Então, aqui vai a primeira dica: pesquise bastante antes de contratar o serviço. A internet está ao nosso favor e dá para tirar informações valiosas no TripAdvisor e em fóruns por aí.

Por exemplo, eu descobri que passeios de escuna costumam ser algum tipo de marca das cidades que os oferecem, então a quantidade de ofertas do serviço é bem grande. O que dá espaço para embarcações não-regulamentadas, pessoas sem autorização para realizar os trajetos e mais uma série de problemas que podem atrapalhar seu passeio.

Então, cuidado. Viajar com pouco dinheiro significa, além de prestar mais atenção na quantidade de vezes que seu cartão vai sair da carteira, tomar cuidado com o que você vai decidir fazer.

O barato pode sair sim muito caro, e esse deve ser o ditado que eu mais uso na vida. Prefiro me programar para andar de escuna e deixar o passeio de Jeep para outro lugar, por exemplo, do que tentar os dois e acabar caindo em uma roubada.

Dica 2: o tamanho da embarcação importa

Nós fechamos nosso passeio na própria recepção do hotel, um pacote passeio + almoço em umas das maiores escunas da cidade, algo importantíssimo para quem passa mal com o balanço de barcos.

E essa é a segunda dica: quanto maior a escuna, menor será o balanço e possíveis enjoos, mas levar um remédio na bolsa não vai matar ninguém.

Ok. Já falei sobre tomar cuidado com os preços, reparar no tamanho da escuna e tudo mais. Porém, o que determina se alguém deveria mesmo fazer um passeio desse? Qual a duração? Como tudo funciona, na prática?

Dica 3: não dá para abraçar o mundo

Lagoa Azul

Na prática é tudo mais simples e natural do que na teoria. É um passeio longo, que provavelmente vai tomar de 03 a 05 horas do seu dia. Então é preciso ter em mente que não, não dá para fazer mais de um tour mirabolante no mesmo dia que você quiser passear de escuna.

Logo, a dica de agora é mais uma recomendação geral de quem já se ligou nas maiores furadas em viagens. Não queira abraçar o mundo. É melhor conhecer um lugar direito do que conhecer cinco sem nem saber o nome de cada um deles. Isso vale para escuna, então esqueça qualquer outra coisa elaborada para o seu dia.

Como são as paradas em um passeio de escuna?

Praia da Lula

As paradas, como elas funcionam? Isso depende.

A escuna vai parar em no mínimo duas praias, mas a forma como tudo vai funcionar muda de destino para destino. As escunas ou possuem um bote para desembarque ou param bem próximas às praias. No caso de praias que são apenas para mergulho, onde não há faixa de areia, você vai ter que pular mesmo. Mas não se preocupe, isso tudo sempre é especificado ou no site da escuna ou nas agências onde você contratará o passeio.

Em nosso passeio de escuna em Paraty, o roteiro foi: Praia da Lula, Ilha Comprida, Praia Vermelha e Lagoa Azul. Sendo a primeira e a terceira para desembarque normal, com o bote, e a segunda e a última apenas para mergulho, sendo que o almoço foi servido na parada da Lagoa Azul.

Então aqui fica a nossa quarta dica: veja as variações de roteiros e pesquise sobre eles! Em algumas cidades, os roteiros são quase que tabelados, mas em outros, costumam variar um pouquinho.

Logo, se você já tem alguma praia em mente, procure por ela e não deixe de ver as outras também, principalmente se o fator “só pode descer se for mergulhar” for um empecilho para você.

Mas eu sou obrigado a descer nas outras paradas?

Olha, não sei responder essa porque nunca presenciei situação parecida. Afinal, quem passeia de escuna quer mais é descer nas praias. Mas tudo o que eu sei é que não, você não é obrigado a descer quando só rola mergulhar, mas já no outro caso…

As escunas servem refeições?

Praia Vermelha

O almoço é algo interessante para ser tratado, primeiro porque é um serviço que você contrata além do passeio em si. E segundo porque nem todas as escunas o oferecem! Fique atento a isso e, por experiência própria, leve algum lanche para evitar problemas.

Contudo, água e frutas costumam ficar à disposição dos passageiros durante todo o trajeto.

Afinal, vale a pena fazer um passeio de escuna em Paraty?

Praia da Lula

Agora, respondendo a pergunta do título do post mais diretamente, eu diria que depende.

Depende porque sim, as praias são incríveis e é um passeio bem gostoso de se fazer. Mas se o mar te entedia, talvez seja bom pensar duas vezes. Afinal, você fica um tempo considerável navegando.

Além disso, sempre tenha em mente quais os seus objetivos na viagem. Claro que fugir do roteiro é uma das coisas mais gostosas de se fazer, conhecer algo inesperado e tudo mais, mas se o tempo é um fator que te atrapalha, pense bem.

Pessoalmente, eu recomendo esse passeio. Mas por favor, não deixe de visitar o Forte Defensor Perpétuo, a Mini Estrada Real e de esquecer do relógio caminhando pelo Centro Histórico.
Em suma, pode ser só a minha opinião, mas as praias não são a estrela principal de Paraty, apesar da sua beleza inegável.

Links Úteis

Escuna Banzay

2 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *