América do Sul,  Arraial do Cabo,  Brasil,  Passeio de Barco,  Passeio de Escuna,  Praias,  Região dos Lagos,  Rio de Janeiro,  Sudeste

Passeio de barco em Arraial do Cabo: Ilha do Farol e Pontal do Atalaia | Região dos Lagos

Uma das programações que os turistas mais procuram em Arraial do Cabo é o passeio de barco. Ele costuma passar por duas ou três praias, sempre incluindo a Praia do Pontal do Atalaia e a Ilha do Farol. Esta última é a grande atração. Considerada a segunda praia mais limpa do Brasil, é uma reserva da marinha que tem o acesso controlado e acompanhado.

Um número reduzido de pessoas pode ficar na praia por no máximo meia hora. Pode parecer pouco, mas é o suficiente para conhecer esse lugar absurdamente bonito.

Como contratar o passeio de barco?

Não faltam pessoas tentando te vender o passeio de barco em Arraial. Mas tome cuidado. Pesquise muito bem antes e contrate o serviço com antecedência, se certificando que a embarcação é legalizada. Elas são as únicas que podem chegar na Ilha do Farol. E além do mais, você não vai querer ir para o meio do mar em um barco que não é regulamentado.

Outra dica é tentar contratar com o seu hotel. Fizemos isso e não nos arrependemos. Foi muito fácil, tranquilo e passou segurança. Quanto ao preço, ficou igual às outras cotações que fizemos. O roteiro incluía parada na Praia do Pontal do Atalaia e na Ilha do Farol, com passagens pelo Perfil do Gorila, Gruta Azul e Fenda de Nossa Senhora. Além de uma parada no Restaurante Flutuante, na Praia do Forno.

De Cabo Frio até Arraial do Cabo

Dessa vez, acordamos cedo e decidimos chamar um Uber. Tudo porque como o barco tinha horário certo para sair da Praia dos Anjos, às 11h, não queríamos arriscar. Não me recordo do valor, mas não foi muito caro (a viagem durou cerca de vinte minutos).

Depois nos encontramos com os responsáveis pelo passeio, da Primeira Classe Tour, e aguardamos na praia até a chegada de todos que tinham contratado o pacote.

O próximo passo foi pagar a taxa de embarque de R$ 3,00 direto no píer e embarcar.

Restaurante Flutuante

A primeira parada foi na Praia do Forno, mas longe da faixa de areia. Paramos no Restaurante Flutuante, que vende frutos do mar a preços absurdos, e pedimos batatas fritas só para não ficar fazendo nada por lá. Ali ainda e possível mergulhar e ver criadouros de ostras e outros animais.

É uma parada que eu pularia. Mas isso estava fora do meu controle.

Praias do Pontal do Atalaia

A primeira parada oficial foi nas Praias do Pontal do Atalaia, que tem um mar de azul absurdo e são incrivelmente bonitas.

Por outro lado elas são muito lotadas, já que o acesso se dá por carro ou barco, e por isso é complicado conseguir relaxar por ali. Você passa um tempo admirando o mar, tira umas fotos e depois só quer ir embora.

Lugares assim me lembram por que sou a favor de restringir o acesso de turistas a alguns locais no mundo. Muitas vezes turistas são pessoas sem noção. Que não entendem que aquele lugar não existe apenas para satisfazer seus sonhos de águas caribenhas. Então uma das consequências é o lixo, sem contar o impacto de se ter centenas de pessoas ocupando a faixa de areia.

Eu preferiria pagar para ter acesso a essas praias, para assim garantir que elas serão preservadas. Com o frenesi sobre Arraial do Cabo, não sei quanto tempo elas duram bonitas assim se não houver alguma intervenção.

Ilha do Farol

Passamos por pontos como a Fenda de Nossa Senhora, a Gruta Azul e o Perfil do Gorila antes de chegarmos finalmente à Ilha do Farol, ponto principal do nosso passeio de barco.

A ilha tem as areias mais brancas e mar mais azul que eu já vi. É surreal e eu sei que vai continuar assim por muito tempo. Porque a Marinha controla e restringe o acesso de turistas. Um número pequeno de visitantes pode ficar ali por meia hora (após chegar em barcos regulamentados) e é isso.

Diferente de condomínios fechados que controlam a entrada de visitantes e às vezes até proíbem o acesso às praias, algo que eu abomino, o objetivo aqui é outro. De preservação. A ilha também conta com um cemitério indígena e uma figueira de 500 anos sobre o sambaqui.

Assim, o lugar permanece intacto e a gente consegue sentir a praia. Com poucas pessoas, alguns pontos ficam vazios e podem ser só seus. Dá tempo de curtir o mar, tirar fotos, tomar sol e relaxar. Sem hordas de turistas e seus paus de selfie.

Depois já era hora de voltar para o píer, pedir um Uber porque minha mãe não estava se sentindo muito bem e voltar para Cabo Frio.

O passeio é fantástico e recomendado. É só seguir as dicas que eu dei no começo do post e tudo vai dar certo.

Links úteis sobre o passeio de barco em Arraial do Cabo

Primeira Classe Tour

Restaurante Flutuante

Prefeitura de Arraial do Cabo

Mais sobre o Rio de Janeiro e a Região dos Lagos

Rio de Janeiro e Região dos Lagos

Como é fazer a ponte aérea Rio-São Paulo com a Azul | Vídeo

Hotel no Rio de Janeiro | Mirasol Copacabana Hotel + Tour pelo quarto em vídeo

Uma noite em Copacabana | Rio de Janeiro

Parque Lage e Lagoa Rodrigo de Freitas | Rio de Janeiro

Tour “express” pelo Centro Histórico | Rio de Janeiro

Como é viajar de ônibus entre o Rio de Janeiro e Cabo Frio com a 1001

Pousada Areia do Forte | Onde se hospedar em Cabo Frio

Praia do Forno em Arraial do Cabo | Região dos Lagos

Praia Azeda em Búzios | Região dos Lagos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *