Europa,  França,  Intercâmbio,  Intercâmbio de Férias,  Paris,  Viagem Internacional

Intercâmbio de férias: por que, como, quando, onde e quanto

Acho que a melhor forma de definir um intercâmbio de férias é: você tira férias para ter aulas durante as férias, que serão as melhores férias da sua vida. Confuso? Eu explico.

Neste post você vai encontrar: o que é intercâmbio de férias, suas modalidades, quando fazer, quanto tempo ficar, para onde ir, como ir, onde se hospedar, valores e links úteis.

Leia também: O que fazer em Paris: tudo o que visitei durante o intercâmbio na cidade

Intercâmbio de férias

O que é?

Entre dezembro e janeiro, e também em julho, escolas de intercâmbio oferecem opções de curta duração para adolescentes. Os pacotes de intercâmbio de férias combinam aulas na língua nativa e turismo, e às vezes também é possível adicionar cursos outros na grade, como moda, fotografia, algum esporte ou gastronomia.

E tudo se resume a fazer das suas férias um compilado de atividades úteis e turísticas do outro lado do mundo. Com direito a muito aprendizado cultural, vivência e socialização com pessoas de todo o mundo.

É uma experiência riquíssima para adolescentes, e a possibilidade de entrar em contato com tantas culturas distintas é absurdamente maravilhosa. Se eu posso ser sincera, o intercâmbio foi um fator essencial para a minha formação como pessoa.

Tinha 16 anos e nunca havia sequer entrado em um avião. Então passei três semanas em Paris e voltei tão diferente que mal consigo reconhecer a Camille que embarcou em São Paulo.

Quais são as modalidades?

Enfim, voltando à parte prática, existem dezenas de possibilidades para intercâmbios de férias. Mas essencialmente, eles são feitos em grupo, já que estamos falando de adolescentes. Contudo, há duas formas disso acontecer.

Intercâmbio em grupo

A primeira é quando a agência pré-determina os grupos. Ou seja, você e mais algumas dezenas de brasileiros farão todo o processo juntos desde o embarque no aeroporto. Nesse caso, pode ser que um guia/monitor os acompanhe desde o Brasil.

Muita gente torce o nariz para o estilo excursão da tia Lili para a Disney pensando que não terão contato com pessoas de outros países, mas esse é um grande engano! As escolas que recebem os intercambistas estarão lotadas de chineses, canadenses e italianos. E como as turmas são formadas a partir do nível dos estudantes, fique tranquilo: você vai conhecer muitos gringos.

Além disso, muitos pais se sentem mais confortáveis com esse estilo de viagem, que passa muito mais segurança. Mas muitos estudantes podem também preferir um intercâmbio de férias com um grupo de brasileiros por vários motivos.

Pode ser pela comodidade de ter alguém que fala o seu idioma, a possibilidade de viajar com amigos, o medo de enfrentar situações novas sozinho e muitas outras. Se você quer um desafio mas não abre mão de algumas garantias, essa pode ser uma boa pedida. Lembrando sempre que só depende de você fazer amizade com pessoas de todo o mundo e tentar praticar o idioma local.

Leia também: Diários do intercâmbio em Paris

Intercâmbio independente

Eu, por exemplo, optei por mais independência e fui sozinha até o meu destino. Onde encontrei com o meu grupo – e com outra brasileira, aliás. O processo é praticamente o mesmo, com a diferença que você passa por todos os processos de embarque sozinho, viaja sozinho, se vira sozinho na imigração e tenta não entrar em desespero quando não vê ninguém para te recepcionar.

Tirando a parte dos trajetos de ida e volta, a experiência dos dois tipos de intercâmbios é bem parecida. Você divide quartos com pessoas da sua idade, vai à escola com eles, turista com eles e afins.

Ann-Sophie, alemã; eu; Paula, mexicana; e Chloe, americana

Quando ir?

Tais viagens acontecem sempre entre dezembro e janeiro ou em meados de julho, ou seja, nos períodos de férias estudantis em todo o mundo. Elas são mais comuns durante os meses de verão, que vão variar de acordo com o hemisfério do seu destino, entretanto, se você quer pisar na neve em Nova York, não se preocupe! Agências brasileiras organizam vários intercâmbios para o inverno no norte do mundo.

Quanto tempo ficar?

A duração de um intercâmbio de férias costuma variar de uma a oito semanas, sendo que os programas mais comuns têm de duas a quatro semanas. Em alguns casos você pode montar a sua viagem e escolher quantas semanas ficar, mas nem sempre isso vai ser possível.

Normalmente as viagens em grupos pré-definidos são mais fechadinhas, então você não tem como escolher a quantidade de semanas que vai ficar, por exemplo. Eu, por outro lado, pude escolher entre três e duas semanas, e fiquei com as três semanas.

Para onde ir?

Passagem de Roma até Paris com a Air France Alitalia, para meu intercâmbio de férias

Para onde você quiser! Milhares de cidades no mundo todo oferecem programas de intercâmbio para adolescentes, então, se joga.

Alguns lugares são mais clichês e fáceis de encontrar pacotes, como Nova York, Los Angeles, Londres e Dublin. Por outro lado, eu não achei um programa para Paris logo de cara, e cheguei a considerar ir para Nice ou Antibes, na Riviera Francesa, antes de encontrar opções na capital.

E mesmo assim, as coisas não foram tão simples. O primeiro programa já estava com as inscrições encerradas, e só em uma segunda tentativa consegui fechar o pacote.

Contudo, independente do destino procurado, mande e-mails para as agências de intercâmbio e procure na internet. Para cidades menores ou pouco procuradas, uma dica é fazer pesquisas em inglês. Elas costumam trazer resultados mais promissores.

Leia também: De Roma até Paris com a Air France: minha experiência

Como ir?

No geral, os programas em si não são montados pelas agências de intercâmbio brasileiras. Na realidade, agências especializadas de cada localidade costumam organizar os programas. Mas além disso, em alguns casos, as próprias escolas de idiomas oferecem o intercâmbio. O que acontece, no fim, é uma parceria entre agências brasileiras e estrangeiras, possibilitando a viagem.

Sendo assim, falando de um intercâmbio solo, você pode muito bem fechar sua viagem diretamente com a agência/escola do destino, o que diminui os custos. Mas tem algumas desvantagens, como a ausência de um agente para te orientar e ajudar com a burocracia. Já no caso de intercâmbios em grupo, você fica restrito às agências mesmo.

Eu viajei com a Experimento e só tenho elogios a eles, desde o atendimento até a resolução dos trâmites legais. Porém, eu amo muito a minha agente, a Ana Luiza, que hoje trabalha na CI. E eu tenho certeza que, em um intercâmbio futuro, irei com qualquer agência onde ela estiver trabalhando.

Onde se hospedar?

Vista do meu quarto na residência estudantil, durante meu intercambio de férias em Paris

As duas opções mais comuns para um intercâmbio de férias são residências estudantis e casas de família. No primeiro caso, você vai morar junto de vários outros intercambistas em uma espécie de república. Já nas casas, uma família que mora no seu destino vai te receber pelo período da viagem.

A depender do seu programa, é possível escolher qual das duas você prefere, mas em outros casos, isso já é pré-definido e não tem como trocar. Foi o meu caso: a única opção disponível era a residência estudantil, e eu adorei a experiência!

Em resumo, a grande diferença entre as duas é o tipo de interação. No primeiro caso você vai ter muito contato com outros intercambistas, ou seja, pessoas de todos os cantos do mundo. Já nas casas, a interação vai ser majoritariamente com locais, então a imersão cultural acaba sendo maior.

Quanto custa um intercâmbio de férias?

Os custos variam absurdamente. Eles vão depender do tipo de programa, do seu destino, da época do ano, da antecedência na contratação, das suas escolhas na viagem e muitas outras variáveis. Contudo, no geral os gastos podem ser divididos em:

  1. Passagens
  2. Curso
  3. Acomodação
  4. Transporte
  5. Alimentação
  6. Gastos pessoais

Certos programas incluem todos eles menos o 6. Alguns têm sistema de meia pensão. Enquanto outros não incluem o transporte aéreo, então vamos falar um pouco mais sobre isso. O meu programa incluía tudo, menos as passagens e os gastos pessoais, e saiu em torno de 2.000 euros em 2013. A vantagem é a de conseguir emitir as passagens com milhas, por exemplo, e economizar.

Os intercâmbios em grupo costumam incluir tudo menos os gastos pessoais. E a questão da alimentação é intrinsecamente ligada à acomodação. Não há uma regra geral, mas pelo o que eu já observei, as refeições costumam estar inclusas nas residências e adotam sistema de meia pensão em casas de família.

E então, se animou para fazer um intercâmbio de férias? De minha parte, se você está cogitando um intercâmbio na adolescência, eu só posso te encorajar a fazê-lo. Independente de qual, de quanto tempo durar e para onde for, abrace essa oportunidade. Daqui alguns anos você vai olhar para trás e agradecer o privilégio.

Links Úteis

Experimento Intercâmbio Cultural

CI Intercâmbio

2 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *