Cruzeiro,  Guia Prático,  MSC,  MSC Armonia,  Viagem de Navio

Guia Prático para Cruzeiros | Tudo o que você precisa saber antes de embarcar

Um cruzeiro não é uma viagem qualquer. Não é apenas substituir o hotel e o avião pelo “combo” do navio. Existe toda uma atmosfera que envolve um cruzeiro e, por isso, é preciso ter alguns pontos claros durante a preparação para esse tipo de viagem.

Aqui eu te conto tudo o que você precisa saber antes e durante um cruzeiro, para que você não fique frustrado, não seja pego de surpresa nem fique confuso.

Antes de comprar a viagem

1. Cruzeiro não é substituto de avião

Viu que a MSC está com uma super promoção de cruzeiros com o dólar congelado e achou legal, porque a ideia de ir para Cartagena foi levada quando a crise chegou? Calma. É melhor não entrar no Decolar e comprar a primeira oferta que você encontrar.

Se você está aqui, é porque nunca viajou de navio antes, certo? Então vamos esclarecer e deixar uns pontos muito bem salientados.

Cruzeiros são viagens feitas em navios. E seu maior objetivo é o estilo de vida caracterizado por viajar de cruzeiro. Sabem aquele amigo que só viaja para Orlando? Ele não gosta de viajar. Ele gosta de ir para Orlando. Viajar é só o meio que ele usa para atingir o objetivo dele: estar em Orlando. E é mais ou menos assim para quem viaja de navio. A viagem em si é o meio para o objetivo: viver um cruzeiro!

2. Sobre as paradas

Logo, seu foco em uma viagem assim não pode ser as paradas. É claro que você deve estar empolgado para conhecer lugares novos, mas essa não é uma viagem tradicional. O navio não é o substituto do avião.

Essa foi a primeira coisa que eu precisei entender antes de fechar a viagem. Eu não iria para Cabo Frio e Ilhabela, eu iria para um cruzeiro. E Cabo Frio e Ilhabela seriam um adicional ao estilo de vida que eu estava comprando.

Milhares de bares, freeshops, restaurantes, piscina com atividades durante todo o dia, madrugadas no cassino, festas todas as noites e comida disponível 24 horas.

Se você está cogitando um cruzeiro só pelas paradas: repense.

3. Imprevistos acontecem

Eu passei por uma situação que dá um ótimo exemplo. O roteiro era um cruzeiro de quatro dias: embarque em Santos, segundo dia em Cabo Frio, terceiro em Ilhabela e quarto de volta a Santos. Só que não foi bem assim.

Eu, que já tinha programado uma escapada para Arraial do Cabo, me ferrei quando o navio desviou a rota para Búzios por conta de condições meteorológicas. E também por elas, demoramos séculos para enfim desembarcar em Búzios. Ou seja, isso não é um voo que foi cancelado e reagendado para daqui cinco horas. Não dá para prever, não dá para dar jeitinho brasileiro, não dá para espernear e pedir para São Pedro uma ajudinha.

Ainda nesse contexto: estava nublado e chovendo em Búzios, além de tudo que já havia acontecido. Ou seja, o tempo muito provavelmente não vai melhorar no espaço de um dia. É aquilo que a gente tem para hoje. Por isso as paradas nunca devem estar em primeiro lugar nas suas prioridades em um cruzeiro.

Ilhabela

4. Como escolher o meu cruzeiro?

Existem tipos e tipos de cruzeiros. A MSC e a Costa, por exemplo, são empresas mais conservadoras que podem levar algumas questões à risca. Como trajes permitidos e proibidos em determinadas áreas do navio. A Royal Caribbean e a Pullmantur já são mais maleáveis, eu diria, segundo minhas pesquisas. Além disso, o perfil de cada cruzeiro pode variar.

A maioria tem um estilo bem familiar. Com crianças, idosos, casais e tudo mais. Mas existem os cruzeiros temáticos, os específicos para solteiros e também aqueles para idosos. Vale a pena das uma olhada nisso antes de fechar o seu pacote. Porque, mais uma vez, o cruzeiro é a atração principal. E passar alguns dias cercado de pessoas que não tem nada a ver com você, pagando por atividades que você não vai fazer, não é o melhor dos cenários para suas férias, certo?

5. Como escolher o itinerário?

Esse é outro ponto importante. As paradas não são o atrativo principal, mas é claro que você estará animado para conhecê-las. E para isso é preciso olhar os horários de chegada e partida do navio nos portos. Pacotes que anunciam um número exorbitante de paradas por um valor “justo” normalmente escondem pegadinhas. E uma delas envolve paradas de menos de cinco horas em um local.

Se você quer fazer um cruzeiro pelas Ilhas Gregas, muitos dos pacotes ficam pouquíssimo tempo em algumas delas, e ainda realizam as paradas em horários nada interessantes. Por isso, minha dica é sempre olhar os horários de chegada e partida em cada local. Um cruzeiro com cinco paradas pode ser muito menos interessante do que um com duas ou três que, esse sim, pode te dar a oportunidade de conhecer um pouco mais das paradas.

6. E quanto á época do ano?

Não há muito segredo. Os cruzeiros só acontecem em épocas boas para o turismo, então, um navio não vai se aventurar no Caribe durante o período de furacões, pode ficar tranquilo. Por outro lado, eles podem sim acontecer no inverno, então, vale dar uma conferida nas datas e épocas do ano, se você vai viajar para o outro hemisfério.

Búzios

7. De quais documentos eu preciso?

Depende. Se o cruzeiro é pela costa brasileira e da América do Sul, apenas da carteira de identidade, que não deve ser substituída pela carteira de motorista. Se você vai para outros países, vai precisar ao menos de um passaporte, sendo que a necessidade de um visto depende dos locais por onde o navio vai passar. Para os Estados Unidos, por exemplo, um visto é requerido. E cuidado: se seu cruzeiro é pelo Caribe mas sai de Miami, você também vai precisar da documentação para entrada nos EUA, por mais que alguns países da América Central peçam apenas pelo passaporte brasileiros.

Nos últimos meses, uma nova documentação se tornou quase que obrigatória: a carteira internacional de vacinação contra a febre amarela. Por conta do casos em território brasileiro, muitos países passaram a exigir a documentação, então, não corra riscos: tome a vacina e faça a carteira internacional em um dos postos indicados pela Anvisa.

Depois de comprar a viagem

1. O que pode e o que não pode

As regras para bagagens podem ser rígidas. A maioria dos cruzeiros, por exemplo, proíbe secadores, chapinhas e derivados. Então, é bom ler a lista de objetos proibidos, o que varia de empresa para empresa, antes de começar a fazer as malas. Isso evitar dores de cabeça e u stress completamente desnecessário, afinal, se você aceitou viajar com aquele navio, precisa se submeter às suas normas. O mesmo vale para comidas.

2. Pesquise sobre trajes

Alguns cruzeiros podem ser chatos com a questão dos trajes. Os jantares são temáticos e, às vezes, pode ser que eles te barrem de entrar no restaurante se sua roupa não estiver de acordo com o determinado. Não precisa ser uma superprodução, mas o bom senso de estar minimamente caracterizado.

3. Pense no tempo para chegar até o porto

Pode ser que você não more na cidade de onde o cruzeiro vai sair, então, pense nesse trajeto. Você vai dirigir até lá? Deixar o carro no estacionamento? Alguém pode te levar? Você vai de ônibus. Calcule o tempo e imprevistos e não deixe para resolver isso apenas alguns dias antes.

4. Pesquise sobre as paradas

A questão aqui é otimizar seu tempo. Se você fizer uma boa pesquisa sobre os destinos, já pensar em um roteiro do que fazer no dia e tudo o que isso inclui – transporte, alimentação, passeios – sua viagem vai render muito mais. Pense que você vai ter pouco tempo nas cidades, então, quanto mais tempo você conseguir economizar com burocracias, melhor.

5. Pesquise preços antes de chegar ao freeshop

Os navios têm freeshops e isso pode ser bom e ruim. Bom porque você pode garantir alguns produtos com um ótimo desconto. E ruim porque a presença das lojas faz nascer um espírito consumista em qualquer um que se aproxime delas. Então, a não ser que você possa gastar muito dinheiro, pesquise alguns produtos que você gostaria de comprar e anote preços. Se valer a pena, boas compras.

Durante o cruzeiro

Está com tudo pronto, chegou na hora no porto, embarcou apenas com os objetos permitidos e não esqueceu nenhum documento? Então está na hora de saber de tudo para o durante da sua viagem.

1. Cartão de embarque

Ele será praticamente a sua vida dentro do navio. Todas as informações importantes da sua viagem estarão lá: número e andar da cabine, nome do restaurante onde você jantará todos os dias e a sua mesa, número do bote e deck em caso de emergência, dentre outras questões, como ser a chave para o seu quarto. Não o perca. De forma alguma.

2. Se atente aos horários

O café da manhã tem horário para começar e acabar, assim como os almoços, mas para essas duas refeições, as coisas podem ser mais flexíveis. Os navios contam com restaurantes onde há comida disponível 24 horas por dia, então, ainda existe solução para quando você perder a hora. Mas não é a mesma coisa que tomar café da manhã em um dos restaurantes bonitinhos, com comidas feitas para o café.

No caso dos jantares, a coisa muda de situação. Você terá um restaurante específico, mesa específica e horário específico. Então é preciso se atentar ao relógio para não ficar sem o jantar.

O mesmo acontece com os shows, apresentações de teatro e outras atividades dentro do navio: preste atenção aos horários. E, o mais importante de todos, se atente a que horas os botes começam a sair para as paradas. Você não quer ter que esperar até o meio dia para desembarcar, e eu conto mais sobre isso no próximo tópico.

3. Como chegar até as cidades durante as paradas?

Não é sempre que uma cidade terá um porto bem estruturado para receber os cruzeiros. Por isso, na maior parte das vezes, os navios contam com botes que fazem o trajeto dos passageiros até a cidade de destino. E eles são organizados por um sistema de senhas, como a que está na foto acima, no tópico cartão de embarque.

Em um local especificado pelos auto-falantes, em determinado horário, a equipe do cruzeiro vai começar a distribuir as senhas para os botes. Elas são organizadas em ordem alfabética e é sempre bom tentar garantir o primeiro bote. Assim, você chega mais rápido na cidade e tem mais tempo para aproveitar o dia.

Para voltar é mais simples: com o horário do último bote em mente, basta chegar no porto e aguardar para que uma das embarcações apareça para buscar os passageiros do navio.

4. E os passeios?

Todos os navios oferecem passeios a serem contratados ainda dentro do navio. Mas para além do benefício da comodidade, não vale a pena. Todos são muito mais caros do que os passeios oferecidos na própria parada. Eu não recomendo, a não ser que você tenham muito dinheiro e seja preguiçoso.

Escuna em Ilhabela

5. Pega internet?

Isso pode ser um problema. Sua rede móvel só vai funcionar quando o navio estiver próximo da costa. Caso contrário, você tem duas opções: ativar o roaming do celular ou contratar os planos de WiFi do navio. Ambas as soluções são caras, e infelizmente eu não tenho mágica para solucionar essa questão.

6. Como faço para assistir aos shows e apresentações no teatro?

Existem tótens e telas touch espalhadas por todo o navio. Nelas, você pode escolher e reservar seu lugar nos espetáculos que acontecem todos os dias durante o cruzeiro.

7. Como funciona o cassino?

Você precisará comprar fichas para conseguir jogar, e assim que terminar de gastar todos os seus dólares, precisa voltar ao caixa para receber o que ganhou, se for o caso. O que é raro com quem nunca chegou perto de uma mesa de pôquer e só jogou porque estava no cruzeiro, convenhamos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *